Mascarados, caretos, gigantones e companhia

Os ritos de passagem, a transição para a idade adulta, o culto da fertilidade e as tradições pagãs cruzadas com as cerimónias religiosas ou os rituais agrícolas.

Tudo isto serve de matéria para paródia, excesso e celebração, num prolongamento do mito do eterno retorno, que se repete todos os anos. Todos os invernos, todos os carnavais, todos os Festivais da Máscara Ibérica. Conte com desfile de máscaras, mostra das regiões, palco de música e três dias de animação pegada.

À cidade montra que é Lisboa acorrem mascarados de toda a península e, ocasionalmente, até mesmo mais além. Este ano temos uma participação da Sardenha entre uma trintena de grupos que se deslocam especialmente das suas proveniências e somam 500 participantes. Caretos, gigantones, foliões de toda a parte, carregam no corpo o orgulho das suas raízes, que partilham também nas bancas instaladas na Praça do Rossio, na forma de expressões da perícia das mãos das suas gentes: artesanato, instrumentos, comes, bebes e afins. Entre 5 e 8 de Maio, o evento Progestur / EGEAC celebra a ancestral cultura ibérica no centro histórico de Lisboa. Solte o folião que há em si!