Castelo de S. Jorge

Aberto ao público sete dias por semana, o Castelo de S. Jorge é hoje um local onde se pode desfrutar do património, ficar a saber um pouco da história de Lisboa no Museu, explorar os vestígios do bairro islâmico do século XI no Sítio Arqueológico, descobrir vistas inéditas da cidade no Periscópio – Torre de Ulisses, passear pelos jardins e miradouro, fazer uma pausa no Café do Castelo, participar em visitas guiadas ou noutras atividades lúdico-pedagógicas ou, simplesmente, deixar-se encantar com a música, o teatro, a dança e as tertúlias sobre património que vão animando os dias neste notável monumento de Lisboa.

O Castelo de São Jorge – monumento nacional – integra a zona nobre da antiga cidadela medieval (alcáçova), constituída pelo castelo, os vestígios do antigo paço real e parte de uma área residencial para elites.

A fortificação, construída pelos muçulmanos em meados do século XI, era o último reduto de defesa para as elites que viviam na cidadela: o alcaide mouro, cujo palácio ficava nas proximidades, e as elites da administração da cidade, cujas casas são ainda hoje visíveis no Sítio Arqueológico.

Após a conquista de Lisboa, em 25 de Outubro de 1147, por D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, até ao início do século XVI, o Castelo de S. Jorge conheceu o seu período áureo enquanto espaço cortesão. Com a integração de Portugal na Coroa de Espanha, em 1580, o Castelo de S. Jorge adquire um caráter funcional mais militar, que se manteve até ao início do século XX.

É no decorrer do século XX que se redescobre o castelo, os vestígios do antigo paço real, a alcáçova islâmica e as vivências de outrora. As intervenções de restauro de 1938-40, acentuaram-lhe a imponência atual, resgatada no meio das demolições então levadas a cabo, atestando materialmente, aqui e ali, fragmentos das construções do passado documentadas amiúde nas fontes escritas.

Já no final do século XX, as investigações arqueológicas promovidas em várias zonas contribuíram, de forma singular, para constatar a antiguidade da ocupação no topo da colina e confirmar o inestimável valor histórico que fundamentou a classificação do Castelo de S. Jorge como Monumento Nacional, por Decreto Régio de 1910.

Os testemunhos dessas vivências do passado são dados a conhecer no Museu e visitáveis no Sítio Arqueológico.


Acessibilidade

Casas-de-banho: 3 casas-de-banho e 1 casa-de-banho para pessoas portadoras de deficiência

Circuito para pessoas com mobilidade reduzida: Disponível acolhimento personalizado

Cães-guia: São bem-vindos


R. de Santa Cruz do Castelo
1100-129 Lisboa

Março a Outubro: das 09h00 às 21h00
Novembro a Fevereiro: 09h00 às 18h00
Encerra nos feriados 1 de Janeiro, 1 de Maio e 25 de Dezembro
Última admissão: 30 minutos antes da hora de encerramento


Sala Ogival
170 m2

Castelejo
1250 m2

Praça D’Armas
900 m2

Jardim Romântico
170 m2

Terraço
500 m2

Restaurante
Casa do Leão
T: 218 875 962
Das 12h30 às 15h30 e das 20h00 às 22h30


737
12, 28
Portas do Sol, Chão do Loureiro