1 Maio, 2016

Ascensão: terceiro passo em direção à distância

“A instalação de Rui Chafes, terceiro passo da exposição Não te faltará a distância, é uma forma de resistência. Em vez de nos dirigir ao chão – que o trabalho de Francis Alys, apresentado no passo anterior, explorou -, Rui Chafes faz-nos virar o olhar. Propõe uma segunda forma de acesso à realidade: um caminho de recusa da gravidade natural.” Paulo Pires do Vale

Sinopse: “Entre fevereiro e julho de 2016, a Igreja seiscentista da Mouraria recebe uma exposição comissariada por Paulo Pires do Vale que mostra olhares contemporâneos sobre  temas inspirados na hagiografia de São Cristóvão: a viagem, o peso e a leveza. Uma exposição em quatro passos com trabalhos de Madalena Victorino, Martin Monchicourt, Francis Alÿs, Rui Chafes e Agnes Martin.

Conta a lenda que o gigante Reprobus ajudava os viajantes na travessia de um rio perigoso, para poderem seguir o seu caminho. Certo dia, ao transportar uma criança pequena que lhe pediu ajuda, notou o seu peso desmesurado, que o afundava e tornava quase impossível a travessia. A criança revelou ser Jesus Cristo que transportava consigo todo o peso do mundo. Reprobus passou a ser conhecido como Cristóvão, aquele que carrega Cristo, e é o patrono dos viajantes.

A exposição “Não te faltará a distância”, comissariada por Paulo Pires do Vale, propõe uma reflexão em torno de temas suscitados por esta narrativa – a viagem, a distância, o peso, a leveza – que se materializa nas obras de Madalena Victorino, Francis Alÿs, Rui Chafes, Martin Monchicourt e Agnes Martin, ao mesmo tempo que permite um novo olhar e inusitados pontos de vista sobre a Igreja de São Cristóvão, espaço feérico que mantém a pureza do seu traçado proto barroco.

A exposição foi desenhada em quatro passos, cada um associado a um artista. Uma exposição no tempo, que exige o regresso à Igreja, para ver as obras dos momentos sucessivos, e descobri-la já diferente, outra. O momento inaugural pertence a Madalena Victorino que com o projeto VÃO ocupará a igreja esvaziada entre 11 e 27 de fevereiro. Nos momentos seguintes a Igreja acolherá obras do belga Francis Alÿs (17 de março); Rui Chafes (5 de maio) que apresentará uma instalação de esculturas concebidas propositadamente para o espaço da Igreja; e Agnes Martin (7 de julho) que encerrará a exposição com o filme Gabriel (1976), na Igreja, em simultâneo com um ciclo de cinema sobre o tema da viagem, a decorrer nas associações e coletividades locais.”

Ascensão | Rui Chafes
Escultura, instalação
Curador: Paulo Pires do Vale
5 de maio a 1 de julho
Igreja de São Cristóvão, Largo de São Cristóvão
Todos os dias das 10h às 18h
Informações: 218 170 900 (Paula Teixeira)

O projeto Arte Por São Cristóvão

A exposição integra o projeto do Orçamento Participativo de Lisboa Arte por São Cristóvão (www.arteporsaocristovao.org) que tem por objetivo promover a Igreja de São Cristóvão na Mouraria e o seu património tendo em vista a angariação de apoios para o seu restauro. É desenvolvido pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Paróquia de São Cristóvão e São Lourenço em parceria com entidades públicas e privadas, assim como associações e projetos locais.